terça-feira, 5 de maio de 2009

If where when what !!!!!!!! Do you know the answers ?



Vazios....sim vazios, alguns de nós temos vazios dentro de nós....uns vão tentado abafando com outras situações , será que isso é o certo....ou devemos ser realistas o suficiente para não os abafar e saber saber lidar com eles ? Custa imenso é uma verdade....mas é o mais certo de o fazer, o não abafar, e lidar com eles.
Como é óbvio começamos a fazer perguntas a nós mesmo desde os "ses","onde","Quando","O quê"....e será que sabemos responder a este tipo de perguntas? ou mais vale não pensar nelas , assumir os vazios abstraindo deles , vivendo cada dia rodeado com os amigos , e em paz de espírito....porque se não pensarmos as coisas acontecem naturalmente e isso sim acho que é o mais certo e sensato ....porque tudo que for imposto ou forçado nunca vai saber bem......
Quanto de nós não tem saudades de preencher o vazio da forma natural....sentir livres, de bem com a vida sem preocupações.....Será que quando temos estes vazios dentro de nós , nós gostamos realmente de nós?




3 comentários:

  1. Eu acho que são fases. Acontece a todos e é perfeitamente natural, num dia estmos em baixo e no outro temos uma esperança renovada :)

    ResponderEliminar
  2. Há vários tipos de vazio que podes sentir...
    Temos que os saber ver,sentir e ao mesmo tempo saber lidar com eles...
    Pensar que podemos sentir um vazio enorme porque alguém que amamos,mas que não nos ama,ou que morreu,mas temos os amigos que nos ajudam a preencher esse vazio,claro que não é a mesma coisa,mas estão lá,até conseguirmos lidar,ou saber viver com esse vazio ou conseguir curar esse mesmo vazio...
    Podemos sentir um vazio a tantos niveis...mas temos que os enfrentar,que os preencher,não para os esquecer,mas sim para sabermos viver com eles.
    Mas por vezes mesmo antes de preenchermos esse vazio,precisamos de estar sózinhos,de nos ouvirmos no vazio...ouvirmos o nosso choro,a nossa lamúria para podermos interiorizar o vazio e apreendermos a viver com ele,perceber que mesmo que ele não desapareça o poderemos aplacar...que pode ser um vazio não tão vazio assim.
    Todas as perguntas que nos fazemos,podem nunca ter resposta,ou podemos ir encontrando as respostas ao longo do nosso encontro connosco mesmos durante o nosso sentido de vazio, ou por vezes a resposta está mesmo ali,de baixo do nosso nariz...
    Na realidade nós vamos tendo vários vazios ao longo de toda a nossa vida e vamos preenchendo esses vazios com algo que nos dá prazer,que nos ajuda a lidar com esse vazio...
    Os vazios não têm com o gostarmos ou não de nós,tem haver com algo ou alguém que nos agrada,que nos dá prazer,que nos completa,que nos alimenta a alma,que nos dá a sensação de segurança de bem estar,mas que por alguma razão deixa de estar ou de termos...no fundo é como acontece com um bebé que deixa de ser amamentado no peito da mãe e começa a ser alimentado com biberão,o vazio que vai sentir com a falta da mama vai ser preenchido com a tetina do biberão.
    Há que saber vivermsaber ouvirmo-nos e a cima de tudo saber gostar de nós,sabermo-nos,
    conhecermo-nos e pensarmos para nós mesmos que somos humanos...sofremos,rimos,gargalhamos,
    choramos, berramos,fugimos,lutamos,sangramos,
    vivemos,damos amor,recebemos amor,somos amigos,temos amigos...somos humanos...
    Somos seres sensitivos.

    Beijos e fica bem!

    ResponderEliminar
  3. Vazio, será??? podemos antes chamar-lhe ausência, a essa falta de carinho, amor, que não conseguimos preencher...desde o 1º dia da nossa vida, muito antes de nascermos assim que somos concebidos, somos habituados a ter esses dois elementos fundamentais para a vida: amor e carinho....crescemos e queremos ter sempre a mesma dose, mas a dose vai diminuindo cada vez mais...não "conseguimos" manter a dose a que fomos habituados...Então a sua ausência começa a provocar dor algo que nos corroe aos poucos e a isso chamas "vazio"...temos amigos é verdade mas não chegam para preencher a ausência porque necessitamos de continuar a ser amados e acarinhados com a intensidade a que nos habituaram...

    Beijo

    Ana

    ResponderEliminar