quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Kayleigh

Alguma vez pararam e olharam para a sociedade de hoje? Com olhos de ver? o que é que vêm......uma sociedade de animais(pessoas) a luta por comida( consumismo, dinheiro) e com que finalidade? Ser apenas o melhor? e depois ? chegam a casa e o que têm?......
Sim isto é a sociedade de hoje....infelizmente. A grande questão é o que mudou nos últimos 12 anos....para passarmos de uma sociedade normal para este tipo de sociedade?
Muitos conceitos no meu ponto de vista desapareceram , para algumas pessoas, conceito de amizade....sim amizade , já não se cria amizades como se criava antigamente....agora são para a maior parte das pessoas amizades de conveniência,salvo algumas excepções.....obviamente não posso catalogar todas as pessoas da mesma maneira....porque sim ainda existe pessoas "normais", algo nos dias de hoje muito difícil de encontrar...mas se procuramos bem elas existem.....
Se pegarmos num jovem de 16 anos e começarmos a perguntar que jogos jogou na rua com amigos e quanto tempo consegue passar sem o computador o que ele vai responder.....
E a culpa é de quem?Dos pais? que para alguns tiveram a mesma sociedade de nós? que lhes fez mudar?
Quanto tempo é que os pais hoje em dia passam com os filhos? Quantos não chegam a casa e vêm os filhos já deitados.....ou chegam a casa cansados e não têm "tempo" para brincar com eles?
Quantos não se juntam ou casam-se porque parece bem.....porque vêm-se numa situação de sozinhos, e os amigos estão todos casados e com filhos? Não sabem viver "sozinhos" ? Claro que há muita gente que vive sozinho....uns por opção,porque para já precisam do seu espaço de meditação, outros porque a vida ainda não se proporcionou para tal.....como alguém me disse o destino decide quem encontramos ao longo da vida.....
O que é uma verdade.....não podemos andar aqui desenfreados a procura de uma pessoa,só para dizermos que temos uma namorada(o) mulher(marido)....para podermos dizer que temos uma família....sim a isso chamo de família"à pressão" que dura quanto tempo?
São estas coisas que se perderam.....e para que? Qual o objectivo?
Nos dias de hoje....se sairmos a noite, o que se vê mais são engates no momento....e para que satisfação para dizerem que são machos e fêmeas que conseguem o que lhes apetece?
Onde está o conceito de conhecer uma pessoa....conviver com ela.....deixar as coisas irem naturalmente....haver a paixão....apaixonarem-se.....isso perdeu-se? Mas há uma questão que temos que ter em atenção.....nunca podemos conhecer uma pessoa levando ideias pré-concebidas na cabeça......
Bem já chega por hoje.....porque senão isto fica um testamento enorme....a continuação virá depois......

3 comentários:

  1. Meu amigo,
    Animais é o que nós somos!
    Temos a mania de chamar aos outros animais,
    animais irracionais,mas se virmos bem os irracionais somos nós.
    E a prova está na maneira como estamos a viver e para o tipo de vida que estamos a caminhar a passos largos...
    Vais a discotecas,a bares e é vê-los e vê-las ali na linha de fogo para terem o que de mais instinto está no Homem animal e nos outros animais...Sexo!Amor!O que lhe quizerem chamar.
    Em diversos sites onde se proclama a amizade,a história repete-se...
    O Homem está tão cansado do que tem que lutar, está tão sedento de amor,de sentimento,de uma vida que o satisfaça,pois tem uma vida, muito cheia de NADA...
    Trabalha para sobreviver na sociedade actual...
    Eu ainda sou do tempo em que o tempo rendia muito...
    Havia tempo para trabalhar,para se estar com os filhos,aliás foi assim que aprendi a bordar,a cozer,a fazer roupas para as minhas bonecas,mas também a fazer armários,
    mesas,objectos para os meus bonecos,pois os meus pais,felizmente tinham tempo para isso e brincavam comigo...
    A maior parte de coisas,como cama,armários ou eram feitas pela minha mãe ou pelo meu pai com a minha ajuda,pois eles ensinavam-me,claro quando já tinha idade para isso...
    Aos 5 anos aprendi a bordar,a fazer roupa para bonecas,a fazer crochet,enfim...
    Tinha alguns legos e o meu pai construiu com as palcas que faziam de estradas e campos,uma cidade com a minha ajuda...
    Tive essa felicidade,esse bem que ambos me deram...
    Ensinaram-me muita coisa...
    O meu pai ensinou-me música,ajudou-me a estudar,levava-me ao cinema,a museus,para o teatro onde ele trabalhava e tinha a possibilidade de ver os ensaios dos espectáculos onde ele cantava...
    A minha mãe também,muitas das vezes me levava para o trabalho dela,onde eu aprendia sempre algo mais do que ela fazia no seu local de trabalho e à noite levava-me para os ensaios de teatro,pois ela era actriz amadora...
    Posso dizer que tive uma infância feliz,dentro de certos paramentros,porque o dinheiro por vezes não chegava para o final do mês,mas sempre tive amor,carinho,compreenção,amizade, companhia,os meus pais estiveram sempre lá...
    Na escola brinquei a apanhada,ao bate pé..ehehehehehehe...fazia corridas de carrinhos,jogava ao guelas,a macaca,às caricas...até tinhamos uma brincadeira que era fazer de conta que eramos os personagens da Guerra das Estrelas ou da Galactica e faziamos nós a história à nossa maneira...
    Hoje em dia os pais não têm tempo para isso, porque têm que trabalhar,talvez por culpa da sociedade ou da evolução que teimou em acontecer,mas que não se soube fazer bem essa transição ou por culpa de alguns pais que não estão muito disponiveis para os seus filhos pura e simplesmente porque não têm paciência para os aturar,pois há pessoas que não foram talhadas para serem pais ou então o conjunto de todas estas situações.
    Para compensar o facto de não terem tempo para estar com os filhos,muitos dos pais acabam por dar prendas caricimas achando que isso vai suprir o facto de não estarem lá,de não estarem com os seus filhos,de lhes darem atenção,de brincarem com eles e por isso nas escolas também acabam por não brincarem ao que nós brincávamos ou fazer os jogos tradicionais,
    porque acabou o passar as vivências,
    brincadeiras,os jogos,uma data de coisas de pais para filhos como se fazia antigamente.
    O medo...O eterno medo de se ficar sozinho,o medo da solidão,uma das muitas doenças da sociedade do século XXI...
    Essa solidão,por vezes é bom que a tenhamos,
    pois precisamos de nos encontrarmos a sós para nos sabermos alguém,para nos tentarmos conhecer melhor,para termos consciencia do ser que temos sido e se queremos continuar a ser ou se queremos rumar o barco para outros portos outras paragens outros destinos...
    Afinal os casamentos por conveniência estão muito em voga,mas disfarçadamente,pois as pessoas enganam-se e acabam por enganar os outros,camuflam a verdadeira razão de namorarem,de se juntarem ou de se casarem...na realidade o que querem é suprir esse medo do estar só,da tal solidão e por vezes é só o estar por estar,par dizerem que têm...outras é porque realmente dá "jeito" em juntar os trapinhos,porque dois a ganhar ordenado ao fim do mês é sempre melhor do que um...
    Procurar alguém com quem queremos fazer ou refazer a nossa vida...
    Sempre ouvi dizer que quento mais se procura menos se encontra.
    O melhor é nem pensar nisso,quando menos se espera encontra-se o que se "quer"...
    Quanto a amizades...
    As pessoas já não sabem o que isso é...
    Acham que por dizer certas coisas e ter certas atitudes ou acções para com um amigo ou amiga já é porque se gota daquela pessoa...
    Aos meus amigos e amigas tro-os(as)por amor da minha vida,paixão,linda ou lindo,babe...enfim...gosto de demonstrar que gosto deles,adoro arrelia-los,picá-los,mas também adoro abraçá-los,dar-lhes a mão,
    beijinhos...
    Ou seja,sou uma pessoa extremamente expressiva e emotiva e adoro demonstrar a quem gosto de que gosto dessa pessoa...
    Por vezes as pessoas não sabem a sorte que têm em ter amigos e que eles estejam vivos cá ao pé de nós,porque a perda de alguém que nos é querido é muito dolorosa e ainda para mais se achamos que em alguma altura da vida não dissemos tudo o que sentiamos e demonstramos todo o nosso amor por eesa pessoa.
    O aor que podemos sentir não é só um amor entre um homem e uma mulher,que ama nos termos românticos,mas numa amizade também há amor,seja entre duas mulheres,dois homens ou um uma mulher e um homem...
    Eu amo de paixão os meus amigos,tenho um amor enorme por eles e gosto de o demonstrar diezendo-lhes e demonstrando-lhes.

    Beijocas grandes. :o)

    ResponderEliminar
  2. A sociedade de hoje?
    Que há para ver?
    Uma pura mesquinhice, uma pura hipocrisia?
    Nem os próprios animais têm uma luta pela sobrevivência tão hipócrita....
    Pelo menos são verdadeiros naquilo que fazem.
    Agora o ser humano?
    Para conseguir ser o "rei da cocada" faz tudo nem que seja pisar quem lhe estende a mão.
    A crueldade instalou-se nos nossos dias, o que mudou?
    O saber estar na vida, o saber ser amigo, o saber ser verdadeiro...
    Como podem os jovens saber se enquadrar se em casa são postos de parte, se na escola são marginalizados?
    E porque acontece?
    Posso dar um exemplo, tenho feito um trabalho com um miúdo, que além de o ajudar a estudar, tento com que ele recupere um pouco a fé nele próprio, que acredite em si mesmo e após tantos meses de trabalho já se encontrava mais confiante, e agora a própria professora, porque resolveu pô-le de parte mandou pro ar que tem poucas possibilidades de obter resultados....Porra!
    O trabalho que já tinha feito com ele foi todo por àgua abaixo e está completamente desanimado, revoltado, como poderá ele vir a ser uma pessoa normal (como tu próprio dizes...;) ), se acaba por enfrentar situações destas? Não digo que não seja necessário enfrentar situações adversas, mas.......até eu fiquei desanimada!!!
    Mas afinal que são pessoas normais?
    Pessoas como tu, como eu, que dizemos o que pensamos? Acreditamos nos nossos ideais? Pensamos pela nossa cabeça?
    Sim! Isso concordo completamente, porque tenho plena consciência que sou uma pessoa normalíssima!
    Se me criticam por ser assim? Azar! Temos pena! Porque não deixo de acreditar em mim!
    Posso-te dizer que a minha filha é daqueles jovens que nunca ligou aos jogos e graças a Deus sempre teve a oportunidade de "brincar na rua", ser "livre"!
    Agora os meus sobrinhos, com menos 8 anos que ela, são obececados, porquê? Porque é mais fácil para os pais os manterem calados, para não chatearem!
    É pura verdade!
    Cheguei a ouvir isto da boca da minha irmã, que é professora já à quase 30 anos.....que culpa têm eles de em vez de terem mães, têm mães-avós?
    As crianças não têm culpa de nascerem já quando as mães já têm uma certa idade, porque afinal a "carreira", apesar de ser importante, acaba sempre por vir em primeiro lugar.
    O gozo que me dava aproveitar os momentos para brincar, para passear com a minha filha....Acho que hoje em dia os pais são pais por ser!
    Onde mora a cumplicidade de uma brincadeira?
    Onde mora a companhia num passeio no jardim?
    Onde mora a parceria num jogo ao ar livre?
    Que missão existe hoje?
    Pôr as tecnologias na cabeça dos miúdos?
    E depois? Acontece como a minha sobrinha?
    Com 8 anos chega a casa e diz ao pai....preciso ir à net para falar com uma amiga?
    Estar no msn, com 10 anos, até à 1h da manhã?Mesmo que seja só ao fim de semnana?
    Aos fins de semana a minha filha queria era brincar com seus brinquedos, ir para o jardim, ir para casa dos meus pais para andar de bicicleta, correr, brincar com àgua e terra, brincar com os amigos....
    Que infância se pode dizer que meus sobrinhos têm?
    Não digo que não seja útil certas coisas, contribuem para o seu desenvolvimento, mas.....na minha infância não havia nada disso e por isso sou menos esperta?
    Não! Sei que não sou o supra sumo da inteligência, mas sei bem quais são as minhas capacidades......
    Isto que acontece com a minha sobrinha acontece tanto por aí....só por falta de tempo dos pais? Não! Por uma questão se ficar bem vistos na sociedade....é "bem" a filha estar tão "evoluída".....será que é?
    Por muita protecção, por muitos avisos...com tanta coisa que há por aí nos nossos dias.....será seguro?
    Espero bem que sim! Claro que não desejo mal nenhum, mas será necessário já incutir tanta coisa a crianças tão pequenas?
    Deixem-nos brincar!
    Deixem-nos ser Crianças!
    O mundo não acaba amanhã, cada coisa a seu tempo!
    Família à pressão?
    Para quê?
    Para o número de divórcios aumentarem?
    Ou simplesmente para dizermos: Tenho uma família!
    Que pura utopia!
    Uma família não é só fachada.....como são todas agora!
    Cada pessoa tem a sua pessoa ideal, o problema é quando confundem paixão com ideal....
    E acredita que esse ideal aparecerá.....quando chegar a altura certa, por isso não vale a pena arranjar "substitutos" porque senão o desastre é total....
    Desculpa o desabafo.......;)

    ResponderEliminar
  3. Hoje em dia vivemos numa sociedade em que valores tão simples como a amizade, a lealdade, sinceridade, o amor desprendido de qualquer segundo objectivo, amor puro, são cada vez mais raros! A sociedade tornou-se numa selva, em que a maior parte das pessoas para atingirem os seus objectivos, atropelam todos aqueles que lhes possam fazer frente, até os próprios amigos!
    A questão coloca-se é se ainda existem amigos, não amigos de circunstância, amigos de café, mas AMIGOS verdadeiros! Eu acredito que sim, pelo menos eu tenho, mas contam-se pelos dedos de uma só mão e ainda sobram dedos!

    As pessoas cada vez mais estão viradas para elas mesmas e não são só os adolescentes e jovens adultos de hoje! Encontramos muitas pessoas na faixa dos 30 e 40 anos com o mesmo comportamento! Mas isto deve-se a quê afinal?
    Falando da geração de 70, as pessoas que nasceram nesta altura foram-lhe incutidos valores importantes como o significado de família, de honestidade, lealdade, sinceridade, valores esses que eu ainda acredito que tenham passado para os filhos. Mas se passaram porque é que os jovens de hoje cada vez menos ligam a isso? Porque é que cada vez mais se estão a tornar autenticos bichos na luta pela sobrevivência, sem olharem a meios para atingir os fins?
    Várias questões se podem colocar, como seja, quem é bonito, elegante, com dinheiro é que tem sucesso; quem é o centro das atenções na escola é que é bom; quem sobressai no emprego é que é o empregado perfeito, mesmo que não o seja e tenha conseguido esse estatuto à custa de deslealdade...
    Muitas vezes diz-se que os filhos são aquilo que aprendem em casa, e de alguma forma é verdade, a educação começa em casa, mas também sabemos que os jovens passam a sua maior parte nas escolas, então os professores também têm um papel importante na continuação da educação familiar. Mas se os miúdos estão catalogados como sem valores, mal educados, então é porque os professores também não prestam! Mas será assim tão linear? Não, não é! A prova está nas noticias que vamos ouvindo, de agressões a professores, à falta de respeito que existe para com eles por parte dos alunos. Então aqui faz-se o reverso da medalha, ou seja, eles são assim porque o são também em casa, e começamos a ter a situação da pescadinha de rabo na boca!

    A sociedade em que vivemos, está cada vez mais agressiva, mais selva, já ninguém olha para o lado para ver se alguém precisa de nós, estamos pior que os animais irracionais!
    Se tomarmos atenção à forma como um animal trata as suas crias, vemos que eles as protegem contra todos os perigos, ensinam-nos a alimentarem-se, cuidam deles até se tornarem adultos, até poderem sobreviver sozinhos! Não digo que os pais e mães de hoje não façam isso com os filhos, o problema está no tempo que dispensam para estar com eles!
    Quem ainda se lembra de a hora do jantar ser sagrada, em que todos reunidos à mesa, conversavam sobre o dia de cada um, os seus problemas, as suas alegrias, se sentavam no sofá a ver televisão e debatiam todos em conjunto o que estavam a ver e os pais explicavam aos filhos, principalmente quando eram mais pequenos, o que se estava a passar e os alertavam para certos perigos e os ensinavam como se defenderem e proteger? Será que isto é assim tão dificil de continuar a fazer? Todos jantamos, certo? Então porque não o fazer em família? Se durante a semana, o tempo é pouco, porque não tirar um dia no fim de semana para estarem todos juntos? É evidente que à medida que os jovens vão crescendo, vão tendo os seus amigos, os seus próprios programas, as suas próprias saídas, é o percurso normal de qualquer pessoa, mas será por isso que temos que perder esta valor tão importante como a familia?
    Agora temos a outra face da medalha, quantas não são as vezes que um filho chega a casa e quer conversar com a mãe, com o pai e a resposta que ouve é: agora não posso, estou ocupado/a; vai ter com o teu pai/mãe; falamos mais logo (esse logo às vezes não chega a contecer)... ? É certo que a vida hoje em dia não é fácil, principalmente para algumas familias, têm que trabalhar às vezes mais horas ou em mais que um emprego para conseguirem dar o minimo conforto em casa, mas mesmo assim, há sempre tempo para a familia, basta querer! E como diz o ditado, "Querer é Poder"

    Colocas aqui outra questão que também acho muito pertinente e, que de alguma forma, a continuação de tudo o que aqui se tem estado a dizer, que é o facto de as pessoas, para ficarem bem na sociedade, igualarem-se a alguns amigos, por questões financeiras, por uma questão de solidão, arranjarem um/a namorado/a! Cá estamos mais uma vez a banalizar o amor! Por algum conhecimento que tenho, situações como solidão, aplicam-se mais aos homens (peço desculpa se estou errada), em que chega a uma altura, que querem ter alguém ao seu lado porque já não aguentam mais viver sozinhos, e muitas vezes, o que ainda é mais grave, não interessa se a pessoa tem formação ou não (não estou a dizer formação académica, mas sim formação de base, uma pessoa com valores), não interessa se até nem gostam muito da pessoa, não interessa que nao a ame, querem é alguém ao seu lado! Mas quem consegue viver com alguém ao seu lado sem a amar? Falando no caso das mulheres, aqui a questão é outra! Já não é tanto o facto solidão, é o muitas vezes serem separadas e terem um filho ou mais e não conseguirem cria-los sozinhas, e aqui entra a questão financeira, "dá jeito" ter um homem que lhes ajude a criar o ou os filhos e já agora, proporcionar-lhe também qualidade de vida! Mais uma vez pergunto, que tipo de pessoa é esta que consegue viver com alguém ao seu lado sem amar?

    Há ainda uma outra questão que gostaria de focar, que talvez dê também para perceber o porque de muitas vezes as pessoas serem cada vez mais egoístas ou mais frias em relação ao amor, que não é totalmente condenável e que tem a ver com os dois ultimos paragrafos deste post, que tem a ver com as decepções por qual as pessoas já passaram! Cada vez mais se torna difícil acreditar que existem pessoas que amem sem nenhuma intenção por de trás; cada vez se torna mais difícil acreditar no outro, na lealdade! Não digo que não há pessoas que realmente saibam o que é amar, nada disso, mas o receio de sofrerem novas decepções torna-se mais forte! Preferem optar por relações frutíferas, desprendidas, porque desta forma sofrem menos! Mas será mesmo assim? Não sofrerão mais? Ninguém gosta de viver sozinho, na solidão, não ter ninguem quando chegam a casa, com quem conversar, com quem adormecer e acordar! É evidente que isto não é desculpa para arranjarem um/a companheiro/a, só para não dizerem que não têm ninguém!

    Como foi referido no blog, cada vez mais se vêm nas discotecas, por exemplo, engates de uma noite e não são só os jovens a faze-lo, há muito adulto que também o faz, mas em relação aos jovens, não será também por aquilo que eles vêm na sociedade em que vivem? Os amigos que namoram e por qualquer motivo acabam e sofrem, os pais que já não se amam como se amavam, a constante subida de divórcios, sendo muitos destes jovens filhos de pais divorciados, acrescido muitas vezes de divorcios conflituosos que os afectaram ou ainda afectam? Não será a sociedade no geral que os está a "ensinar" a serem assim?

    Mas se a sociedade somos todos nós, então que andamos nós a fazer? Que valores estamos nós a passar para a geração seguinte?

    ResponderEliminar