quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

I'm Sailling......

Velejar......um dos prazeres que tenho, algo que por um lado me relaxa , por outro dá-me uma adrenalina enorme.
Segue-se um rumo esse rumo é o que nós queremos ou não,mas o destino é sempre o mesmo seja ele bom ou mau. Claro que existe outros factores para nos ajudar a chegar a esse destino um deles e muito importante é o vento que sopra e nos faz andar...faz-nos sentir bem e com um objectivo chegar ao destino , que por vezes demoramos mais tempo do que o habitual, mas chegamos lá sempre,pelo menos pensamos que sim , seja de que maneira for. Podemos chegar e desiludirmos....mas o percurso que fizemos antes vale a pena sempre, porque se não tentar-mos chegar lá nunca sabemos como é que será o destino . Como tudo, o percurso que fazemos tem altos e baixos e é preciso prevermos disso e tentar com que seja sempre alto , o que as vezes não é possível.....e para tal é preciso saber dar a volta e "resolver" os baixos......as vezes não é tão linear quanto isso, e de outras vezes os baixos acontecem quando menos esperamos....mas é preciso força de vontade para os ultrapassar.....
o conceito de velejar se virmos bem é um conceito que se aplica na vida entre as pessoas............
Claro que me apetece velejar e muito...... já estou no barco pronto para sair mas sempre com receio, porque sem esse receio, tornava-se sempre muito menos interessante........

4 comentários:

  1. veleja....
    enfrenta as mares, enfrenta as tempestades
    que quando chegares ao teu destino vais-te sentir "maior" do que já és!
    a viagem pode ser comprida, o mar por vezes assustador, mas é na revolta do mar que vimos a revolta da vida e assim......tudo se enfrenta!
    e mais facilmente se enfrenta quando sentimos a nosso lado a presença daquelas pessoas que fazem parte de nós....nossos amigos!

    O mar.......é divino!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Mar chão,mar picado,mar revolto,tempestade no mar...
    Vida chão,vida picada,vida revoltada(quanto mais não seja,virada do aveso),tempestade na vida.
    Somos barcas,canoas,botes,rebocadores,veleiros,
    barcos,caravelas,navios,paquetes,
    cruzeiros...
    Cada altura da nossa vida é uma representação do que já tivemos,pelo que passámos.
    O que nos faz ser o que somos.
    Se aprendemos com o que já passámos?
    Alguns sim,outros não,não porque sejam burros,mas porque simplesmente acabam por não compreender onde erraram e continuam a fazer o mesmo erro,pois ainda ninguém lhes conseguiu dizer nem explicar onde erraram.
    Mas a vida é assim mesmo.
    Temos que ser nós a tomar o rumo que queremos dar ao nosso barco ou navio,ou outro qualquer objecto do meio maritimo que queiramos que seja representante da nossa vida.
    E não há nada melhor do que navegarmos por ela,ao sabor do vento,a favor ou contra do mesmo,com as velas bem içadas para nos levar,mas por vezes,temos a ancora presa bem fundo do nosso ser que não somos capazes de sair do mesmo sitio.
    Somos o que a vida nos dá,mas tambéms somos o que fazemos do que a vida nos dá.
    E viver é o que temos que fazer,seja como o bom ou menos bom,pois tudo isso faz parte da nossa vida,pelo menos nesta realidade em que vivemos.
    Mas nunca deixar que ninguém nos diga como dirigir o nosso barco,navio,paquete,
    cruzeiro...porque apartir desse momento já não é a nossa vida,mas sim a de alguém.

    Vive,ou por outra,navega a tua vida por onde quizeres,mesmo que acabes por entrar em mar revolto ou com tempestade,não te importes,pois há uma coisa muito importante...
    Se estás vivo é porque é para viveres,e não há nada melhor do que a vida vivida ao sabor do vento,mesmo com tempestades e bonanças pelo meio,ao sabor do teu vento,do vento que tu queres apanhar.
    Os problemas foram "feitos" para ser resolvidos,mas por vezes,só não conseguimos alcançar essa resolução,até que um dia,se nos acende uma luzinha em qualquer canto misterioso da nossa mente e esse problema já está resolvido há um tempo,só que ainda não tinhamos dado por isso.
    O que seria da nossa vida sem estes pequenos precalços,sem estas ondas de 35m,destes abanões que de vez enquanto precisamos,para nos demonstrar que estamos vivos?
    Nada!!!!
    A nossa vida seria um nada,sem qualquer sabor a salgado ou a doce,quente ou picante,frio ou morno.
    Tudo tem solução,só a morte é que não.

    Beijocas e fica bem. :o)

    ResponderEliminar
  4. Quantas vezes já não ouvimos dizer "é o destino!" se aconteceu algo de bom ou mau "foi o destino" Será que é assim tão linear? Será que não somos nós muitas vezes que conduzimos o nosso destino?
    A nossa vida tem 2 caminhos, o da esquerda com curvas, montanhas, vales e o da direita que segue em linha recta! Sabemos que aquilo que queremos está no final de um deles, mas não sabemos em qual dos caminhos! Temos que escolher um, qual será a nossa escolha?!

    Vou deixar aqui uma fábola que talvez dê para perceber e saber qual a resposta para a escolha do nosso caminho:

    Um casal de jovens recém-casados, era muito pobre e vivia de favores num sítio do interior. Um dia o marido fez a seguinte proposta para a esposa
    Querida eu vou sair de casa, vou viajar para bem longe, arrumar um emprego e trabalhar até ter condições para voltar e dar-te uma vida mais digna e confortável. Não sei quanto tempo vou ficar longe, só peço uma coisa, que você me espere e enquanto eu estiver fora, seja FIEL a mim, pois eu serei fiel a você. '
    Assim sendo, o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajudá-lo em sua fazenda.
    O jovem chegou e ofereceu-se para trabalhar, no que foi aceito. Pediu para fazer um pacto com o patrão, o que também foi aceito.
    O pacto foi o seguinte:
    Me deixe trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que devo ir, o senhor me dispensa das minhas obrigações.
    EU NÃO QUERO RECEBER O MEU SALÁRIO. Peço que o senhor o coloque na poupança até o dia em que eu for embora.
    No dia em que eu sair o senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho'.
    Tudo combinado.
    Aquele jovem trabalhou DURANTE VINTE ANOS, sem férias e sem descanso.
    Depois de vinte anos chegou para o patrão e disse:
    Patrão, eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa.'
    O patrão então lhe respondeu:
    Tudo bem, afinal, fizemos um pacto e vou cumpri-lo, só que antes quero lhe fazer uma proposta, tudo bem?
    Eu lhe dou o seu dinheiro e você vai embora, ou LHE DOU TRÊS CONSELHOS e não lhe dou o dinheiro e você vai embora.
    Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos; se eu lhe der os conselhos, eu não lhe dou o dinheiro.
    Vá para o seu quarto, pense e depois me dê a resposta. '
    Ele pensou durante dois dias, procurou o patrão e disse-lhe: 'QUERO OS TRÊS CONSELHOS. ‘
    O patrão novamente frisou: 'Se lhe der os conselhos, não lhe dou o dinheiro. ‘
    E o empregado respondeu: 'Quero os conselhos. ‘
    O patrão então lhe falou:
    1. NUNCA TOME ATALHOS EM SUA VIDA. Caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida.
    2. NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE É MAL, pois a curiosidade para o mal pode ser mortal.
    3. NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO OU DE DOR, pois você pode se arrepender e ser tarde demais.
    Após dar os conselhos, o patrão disse ao rapaz, que já não era tão jovem assim:
    AQUI VOCÊ TEM TRÊS PÃES, estes dois são para você comer durante a viagem e este terceiro é para comer com sua esposa quando chegar a sua casa.'
    O homem então, seguiu seu caminho de volta, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.
    Após primeiro dia de viagem, encontrou um andarilho que o cumprimentou e lhe perguntou: 'Para onde você vai?'
    Ele respondeu: 'Vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por essa estrada.'

    O andarilho disse-lhe então: 'Rapaz, este caminho é muito longo, eu conheço um atalho que é dez, e você chega em poucos dias.'
    O rapaz contente, começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho, então voltou e seguiu o caminho normal.
    Dias depois soube que o atalho levava a uma emboscada.
    Depois de alguns dias de viagem, cansado ao extremo, achou pensão à beira da estrada, onde pode hospedar-se.
    Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir.
    De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para ir até o local do grito.
    Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do segundo conselho.
    Voltou, deitou-se e dormiu.
    Ao amanhecer, após tomar café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia escutado gritos durante a noite, e ele respondeu que sim.
    O hospedeiro perguntou-lhe se não estava curioso a respeito, e ele respondeu que não.
    O hospedeiro prosseguiu: 'VOCÊ É O PRIMEIRO HÓSPEDE A SAIR DAQUI VIVO, pois meu filho tem crises de loucura, grita durante a noite... e quando o hóspede sai, mata-o e enterra-o no quintal.'
    O rapaz prosseguiu na sua longa jornada, ansioso por chegar a sua casa.
    Depois de muitos dias e noites de caminhada... Já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça de sua casinha, andou e logo viu entre os arbustos a silhueta de sua esposa.
    Estava anoitecendo, mas ele pode ver que ela não estava só.
    Andou mais um pouco e viu que ela tinha entre as pernas, um homem a quem estava acariciando os cabelos.
    Quando viu aquela cena, seu coração se encheu de ódio e amargura e decidiu-se a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade.
    Respirou fundo, apressou os passos, quando lembrou-se do terceiro conselho.
    Então parou, reflectiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte tomar uma decisão.
    Ao amanhecer, já com a cabeça fria, ele pensou:
    NÃO VOU MATAR MINHA ESPOSA E NEM O SEU AMANTE.
    Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta.
    Só que antes, quero dizer a minha esposa que eu sempre FUI FIEL A ELA'.
    Dirigiu-se à porta da casa e bateu.
    Quando a esposa abre a porta e o reconhece, se atira em seu pescoço e o abraça afectuosamente.
    Ele tenta afastá-la, mas não consegue. Então, com lágrimas nos olhos lhe diz: 'Eu fui fiel a você e você me traiu...'
    Ela espantada lhe responde: 'Como? Eu nunca lhe trai, esperei durante esses vintes anos!
    Ele então lhe perguntou: 'E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer?'
    AQUELE HOMEM É NOSSO FILHO. Quando você foi embora, descobri que estava grávida. Hoje ele está com vinte anos de idade.
    Então o marido entrou, conheceu, abraçou o filho e contou-lhes toda a sua história, enquanto a esposa preparava o café.
    Sentaram-se para tomar café e comer juntos o último pão.

    APÓS A ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO, COM LÁGRIMAS DE EMOÇÃO, ele parte o pão e, ao abri-lo, encontra todo o seu dinheiro, o pagamento por seus vinte anos de dedicação!
    Muitas vezes achamos que o atalho 'queima etapas' e nos faz chegar mais rápido, o que nem sempre é verdade...
    Muitas vezes somos curiosos, queremos saber de coisas que nem ao menos nos dizem respeito e que nada de bom nos acrescentará...
    Outras vezes, agimos por impulso, na hora da raiva, e fatalmente nos arrependemos depois...

    Será que tudo o que nos acontece é o destino??

    ResponderEliminar